PEDAGOGIA DO ARCO ÍRIS

Conjunto pedagógico inovador de ação social da Casa do Zezinho. Uma pedagogia desenvolvida na prática, promovendo educação de qualidade: esta é a metodologia educacional da Casa do Zezinho — a PEDAGOGIA DO ARCO ÍRIS. Tem como ponto central o desenvolvimento da autonomia de pensamento e de ação a partir de 4 pilares da educação:

Ser - (Espiritualidade)
Conhecer - (Ciências)
Saber - (Filosofia)
Fazer - (Arte)

Por que o Arco íris? Pelas possibilidades de manipulação permitidas pelas cores. Meu cavalo pode ser azul, o seu amarelo e o seu verde. Posso brincar do que eu quiser, ser o que eu quiser, com a cor que eu desejar. Um vir-a-ser diferenciado, com a minha própria cor. O passaporte para o meu destino será a cor que eu escolher. As cores do Arco íris representam as possibilidades de sonhar, são as pinceladas da diversidade que a vida contém. A tolerância, o amor, a solidariedade, na alma de cada Zezinho. É a conquista da autonomia através da mobilidade. Na Casa do Zezinho, as etapas que a criança percorre são simbolicamente divididas pelas cores que compõem o Arco íris.

Sete são as cores do Arco íris, reveladas por gotas de água que, como o pés, deixam atravessar a luz do Sol, assim diz a ciência. Essa luz é um fenômeno ondulatório e uma energia produzida pela vibração de partículas. Cada uma das cores que enxergamos é resultado de uma vibração diferente: do violeta ao vermelho esse movimento aumenta, intensifica-se. O passaporte de uma cor para outra, ou seja, de um espaço para outro é a mobilização. A cada cor associamos um dos elementos da Natureza. E, a cada elemento, associamos núcleos de atividades de criação pedagógica, os chamados Espaços de Aprendizagem.

Entendemos que a criança não é aprendiz de conteúdos, então primamos pelo aprender a fazer, a conhecer, a saber, a ser e a viver/conviver. As ações da pedagogia primam em educar para a vida, o aprender a ser e a conviver inspiram a construção de estratégias de ensino e aprendizagem tendo a arte como cenário. Descobrir-se como pessoa de direitos e deveres, num espaço de dignidade e respeito. Todo o empenho da equipe volta para a formação de habilidades, e por isso aprender a fazer encoraja a superar os limites e eleva a auto-estima. É uma educação pautada em valores, que movimenta ações coletivas na comunidade Zezinho e se multiplica pelas teias de convivência e relações de todos. Mais do que a definição dos conceitos de cada valor, o trabalho do desenvolvimento humano. A roda de formação diária é uma importante ferramenta, pode seguir temas geradores ou não. O importante é que ne. momento de troca o formato do círculo favorece o encontro e o compartilhar do que cada um tem a dizer. Neste espaço, pode-se trabalhar regras de convivência, programações do dia, mudanças necessárias sob o consenso de todos, e a apuração dos senti-dos.

A atuação da Casa do Zezinho se dá em toda a rede de relações dos Zezinhos: a escola, a família, a saúde, as lei, a cidadania, promovendo seu desenvolvimento e o reconhecimento de suas potencialidades através do incentivo à curiosidade, ao prazer pela descoberta e ao aprendizado constante, por meio de um processo de construção do conhecimento que desenvolve a criação e a reflexão crítica, tendo como meta o desenvolvimento humano. Construir o futuro, não como uma promessa, mas sim como algo que se realiza a cada dia. Os educadores da Casa do Zezinho estão abertos e preparados para receber diariamente as crianças e jovens que, devido à situação de carência de condições dignas de vida, chegam sem nenhuma condição de concentração para aprender. A primeira ação do educador é nutrilos com um sentimento de segurança indispensável — acolher, ouvir e conversar com os Zezinhos, respeitando sua própria percepção de mundo. Um caminho criativo e produtivo.

A integração de todas as formas possíveis de expressão, a palavra, a cor, a forma, os ritmos e os sons, o movimento, num conceito educacional que acompanha os Zezinhos e os ajuda a encontrar segurança e buscar uma identidade. Não ignorar ou evitar a gravidade dos problemas trazidos por eles, mas sim assumi-los prontamente. O educador do Espaço de Aprendizagem acompanha o grupo em todas as atividades propostas, e também nas Oficinas. Chamamos de oficineiro o educador que atende os Zezinhos responsabilizando-se por uma Oficina específica. Ambas as funções se complementam e se fortalecem, pois o educador do Espaço de Aprendizagem tem acesso às informações gerais do grupo, tornando-se um referencial.

O educador do Espaço de Aprendizagem faz a ponte com a escola, e tem parceria direta com as famílias, nas reuniões e atendimentos individuais quando a situação pede. A escola desencadeia um processo de ensino com os educandos nem sempre bem sucedido. Requer acompanhamento da nossa parte e sensibilização das famílias para participarem positivamente das tarefas, sejam elas quais forem. O importante é a garantia de que juntos construímos possibilidades, caminhos. Anualmente pensamos em temas e ações que abarcam todas as idades, contribuindo para a formação e o desenvolvimento humano. Buscamos despertar as potencialidades, lideranças e descortinar habilidades a partir da arte enquanto expressão. No decorrer do trabalho, nos atemos em acolher as dificuldades e limitações a que muitos ficam submetidos devido à exclusão, pelo 'não saber'. Na convivência, aprendemos juntos e podemos partilhar saberes.

Estipulamos metas que visam preparar os passos do Zezinho na sua rede relações do futuro, nos campos pessoal e profissional. Os planejamentos pedagógicos centram-se no trabalho com valores humano, resgate da auto-estima, estímulo das ações em equipe, desenvolvimento do interesse pela leitura e escrita, entendimento e manipulação das operações administrativas, desenvolvimento dos trabalhos de pesquisa sobre profissões do mercado de trabalho e postura para buscá-lo, na articulação das idéias, no despertar para sua própria existência, e na autoria do início de seu projeto de vida.